Satisfação com sistemas fotovoltaicos é mencionada por cerca de 90% dos clientes finais da classe de consumo comercial

De acordo com pesquisa realizada pela Greener, a satisfação com sistemas fotovoltaicos é apontada por cerca de 90% dos clientes finais da classe de consumo comercial. O estudo englobou uma amostra aleatória de 260 consumidores que compraram seus sistemas a partir de 2017, abarcando pessoas de todos os estados brasileiros.

Entre todos os participantes, 46% afirmaram-se satisfeitos, 42% muito satisfeitos, 6% insatisfeitos, 3% pouco satisfeitos e 3% ainda estão estimando. Conforme exposto pela companhia, entre os 9% insatisfeitos ou pouco satisfeitos, a principal contestação está relacionada à produção inferior à calculada ou proposta.

Segundo o estudo, o maior incentivo para grande parte dos clientes empresariais adquirirem sistemas fotovoltaicos foi a economia gerada (84%) e, logo em seguida, a sustentabilidade (8%). Outros motivos foram citados, mas não ficaram entre os principais, como a insatisfação com a concessionária de energia e a valorização do imóvel.

Enquanto 84% dos consumidores relataram não ter contado com nenhum tipo de empecilho com o sistema de geração fotovoltaica, 16% reportaram algum tipo de acontecimento que vai para além da geração inferior à imaginada, como: mau funcionamento do inversor; módulos mal posicionados; quebra de telhas durante a instalação; problemas na medição; infiltração no telhado; problema com disjuntor, conectores e cabeamento; módulos arrancados do telhado durante temporal; demora na instalação e quebra de módulos.

Em relação ao serviço de pós-venda do integrador, 39% dos participantes julgaram-no excelente, 28% não usaram, 26% consideraram-no bom, 5% ruim e 2% regular. Levando em conta somente os consumidores que fizeram o uso do serviço de pós-venda, 10% classificaram-no como ruim ou regular. A demora no atendimento foi o principal motivo para essas classificações.

Em 2019, 66% dos clientes afirmaram ter financiado a compra. Já em 2020, esse número diminuiu para 58%. A Greener enxerga que a pandemia, a qual gerou incertezas econômicas responsáveis por dificultar o acesso ao crédito, é um possível fator que justifica essa redução. Agora, 25% dos consumidores compram à vista, mostrando um aumento de 4 pontos percentuais sobre 2019.

Os sistemas que contaram com maior número de financiamentos estão entre 10 e 49,9 kWp. Doações, consórcios e parcelamento via integrador foram destaques da categoria “outros” (5%).

Fonte: Portal Solar.